Após novas acusações de má conduta sexual, Trump alega conspiração

Após novas acusações de má conduta sexual, Trump alega conspiração


WASHINGTON – O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, Donald J. Trump, disse nesta sexta-feira (14) que as acusações de má conduta sexual contra ele são parte de uma conspiração para desacreditá-lo, depois que mais duas mulheres alegaram ter sido apalpadas por Trump.

  Imagem: Republicano / Donald J. Trump


As acusações – incluindo a de uma competidora de seu reality show "O Aprendiz" – coincidiram com o lançamento, nesta sexta, de uma pesquisa Reuters/Ipsos, feita de 7 a 13 de outubro, mostrando a democrata Hillary Clinton com 7 pontos percentuais à frente de seu rival para a eleição de 8 de novembro.

Summer Zervos, que competiu na quinta temporada do programa de televisão em 2006, concedeu uma entrevista coletiva com a advogada de celebridades Gloria Allred, em Los Angeles, dizendo que Trump a beijou, tocou seu peito e tentou levá-la para se deitar numa cama com ele durante uma reunião em 2007 sobre um possível emprego.

- Ele me agarrou e eu tentei afastá-lo. Eu empurrei o peito dele para colocar espaço entre nós e disse para ele cair na real. Ele repetiu as minhas palavras, 'caia na real', enquanto começou a pressionar com seus órgãos genitais - disse Zervos.

Zervos afirmou que achava que Trump iria levá-la para jantar para discutir um emprego, mas a reunião aconteceu em seu bangalô no Hotel Beverly Hills, onde mais tarde ele pediu um sanduíche para os dois.

- Fiquei pensando se o comportamento sexual era algum tipo de teste e se eu tinha passado ou não - rejeitando-o, ela disse, mas Trump depois ofereceu-lhe um emprego em um campo de golfe por metade do salário que ela tinha pedido.

Separadamente, o Washington Post publicou uma entrevista com uma mulher que disse que Trump colocou a mão por dentro de sua saia em um clube noturno de Nova York lotado no início dos anos 1990, em um avanço indesejado.

- Ele chegou a tocar minha vagina através da calcinha, com certeza - relatou Kristin Anderson em uma entrevista em vídeo no site do jornal.

- Não houve um incentivo sexual. Não sei por que ele o fez. Foi como se fosse só para provar que era capaz - disse ela.

A campanha de Trump não respondeu aos pedidos de comentário sobre as novas alegações. Mas em um comício nesta sexta-feira Trump se referiu raivosamente às alegações que várias mulheres fizeram sobre ele nos últimos dias, chamando-as de "doentes" e dizendo que as acusações foram fabricadas.

- Eu não sei quem são essas pessoas. Eu olho na televisão, eu acho que é uma coisa repugnante e está sendo empurrada, elas não têm testemunhas, não há ninguém por perto - disse Trump no comício em Greensboro, na Carolina do Norte.

- Algumas estão fazendo isso por, provavelmente, um pouco de fama.

A campanha de Trump pela Casa Branca vem lutando para se recuperar da divulgação de um vídeo de 2005 no qual ele se vangloria de apalpar mulheres e fazer insinuações sexuais indesejadas.

Embora o empresário tenha dito que o vídeo era só falatório e que jamais se comportou dessa maneira, subsequentemente várias mulheres foram a público com alegações de má conduta sexual contra o magnata do setor imobiliário de Nova York que datam de três décadas.

O vice-candidato presidencial republicano, Mike Pence, defendeu vigorosamente o cabeça de chapa.

"Fiquem ligados. Sei que há mais informações que virão à tona que irão sustentar sua afirmação de que tudo isso é categoricamente falso", disse Pence em uma entrevista ao programa "This Morning", da rede CBS.