+A +/- -A

5 suspeitos de envolvimento na morte de dono de padaria são detidos

5 suspeitos de envolvimento na morte de dono de padaria são detidos


Atualizado em 30 de maio de 2017


A polícia prendeu cinco pessoas suspeitas de envolvimento na morte do dono de uma padaria em Lages, na Serra de Santa Catarina, na quinta-feira (25/05). Quatro homens e um menor foram detidos na sexta (26), conforme divulgado pela Polícia Civil (PC) nesta segunda-feira (29). A polícia procura por um sexto suspeito do crime.


José Elmar Godinho [foto acima], de 52 anos, foi assassinado no bairro Universitário. À polícia, o filho da vítima contou que um suspeito anunciou o assalto no estabelecimento e atirou. O rapaz atendia um cliente quando o pai foi atingido. Ele era proprietário do local e foi atingido por um tiro no peito. Os suspeitos fugiram em uma moto.

De acordo com a polícia, os quatro homens, de 21 anos, 25, 27 e 30 anos, respectivamente, e o menor de 16 anos foram detidos em flagrante.

O grupo pretendia roubar R$ 50 mil. No entanto, conforme a polícia, os suspeitos fugiram do local sem conseguir levar nada.

''Três deles confessaram o crime de forma detalhada e o quarto permaneceu em silêncio'', disse o delegado Sérgio Roberto de Sousa, da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Lages.

Segundo ele, um sexto homem, que seria o autor do disparo que vitimou Godinho, continuava foragido até a manhã desta terça-feira.

''O disparo de arma de fogo foi executado por este comparsa foragido. Durante as diligências, foi localizada e apreendida a arma de fogo utilizada no crime, que estava com quatro munições intactas, na posse do indiciado de 27 anos. A motocicleta utilizada no crime foi localizada e apreendida na posse do indiciado de 21 anos'', afirma o delegado.


Crime planejado

O delegado acredita que os seis suspeitos planejaram o latrocínio e dividiram as tarefas antes do crime. O mentor seria o preso de 30 anos. Segundo o delegado, ele possui uma loja na cidade, teria contato com os comerciantes da região e levantou a possibilidade de na padaria da vítima ter grande quantidade de dinheiro.

''Esse mentor convocou os demais comparsas e fez a proposta de praticarem o roubo'', detalhou Sousa.

Divisão de tarefas

De acordo com o delegado, o preso de 21 anos forneceu sua motocicleta. Já o preso de 27 anos emprestou um revólver calibre 32 com cinco munições intactas. O outro preso, de 25 anos, ficou responsável por conseguir ''um segundo executor do crime'' para praticá-lo junto com o adolescente.

''Ele também tinha a atribuição de ocultar a arma, motocicleta, capacetes e roupas utilizadas no crime, bem como os valores roubados'', afirmou o delegado.