+A +/- -A

'Quero crer que Moro não me reconheceu', diz Bolsonaro

'Quero crer que Moro não me reconheceu', diz Bolsonaro


Atualizado em abril de 2017


O deputado Jair Messias Bolsonaro (PSC-RJ) tem duas teses para explicar por que foi esnobado pelo juiz Sérgio Fernando Moro, ao tentar cumprimentá-lo no aeroporto de Brasília.

"Ou ele não me reconheceu, ou me ignorou. Quero crer que ele não me reconheceu", diz, dois dias após vídeo com episódio viralizar na internet (disponível no fim da matéria).


A gravação foi reproduzida na quinta-feira (30) por "Somos Todos Bolsonaro", perfil no Facebook que defende a pré-candidatura à Presidência do deputado e prega que, se eleito fosse, Bolsonaro deveria chamar Moro para ser ministro da Justiça.

Os dois se encontram na praça de alimentação do aeroporto. Bolsonaro caminha em direção à câmera e orienta o autor da filmagem a captar sua abordagem ao juiz, que conversava com um grupo na frente de uma lanchonete de pães de queijo.

Bolsonaro tenta puxar papo e, com discrição, bate continência: "Doutor Moro...!". Dá um tapinha no ombro do juiz, que responde com um aceno rápido de cabeça e, aparentemente, sai sem falar nada.

Por telefone, o deputado reitera sua "admiração" pelo "excelente trabalho" que o juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba está fazendo à frente da Operação Lava Jato. Não quer especular sobre o que levaria Moro a deixá-lo "no vácuo". "Ele que tem que responder, até porque eu sou uma pessoa que sempre tratei com dignidade todo mundo. A bola tá com ele, não tá comigo, não."

Para comprovar seu trânsito com autoridades, Bolsonaro lembra que, certa vez, conversou por 20 minutos, num voo, com Joaquim Barbosa, à época ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) responsável pela relatoria do Mensalão. "Ele me citou como o único deputado da base aliada que não foi comprado pelo PT."

Em 2012, durante sessão do Supremo, Barbosa destacou que o deputado (na época filiado ao PP) foi raro caso de parlamentar da base governista que votou contra o interesse da gestão petista em temas como reforma tributária. "Todos os demais votaram orientados pelo líder do governo do PT'' na Câmara dos Deputados.

Moro não se pronunciou sobre o caso até o fechamento desta reportagem na noite de sábado (1º).