+A +/- -A

Homem divide opiniões ao resgatar filhote de urso nos EUA

Homem divide opiniões ao resgatar filhote de urso nos EUA


Atualizado em março de 2017


O norte-americano Corey Hancock, de 41 anos, decidiu resgatar um filhote de urso que encontrou enquanto passava por Elkhorn Road, no estado de Oregon (Estados Unidos), e acabou dividindo opiniões.

"Socorro! Eu resgatei um filhote de urso que foi deixado para morrer. Para onde eu levo ele?! Ele mal está respirando", escreveu ao publicar uma foto com o urso, na última segunda-feira (27), e acabou elogiado, mas também criticado por tirar o animal da natureza.


Hancock explicou que decidiu levar o mamífero por achar que ele corria risco de morrer. "Ele estava deitado, mal se movia. Não estava respirando. Estava morrendo", disse ele ao Oregon Live. Ele diz que esperou, por cerca de dez minutos, para ver se a mãe do animal apareceria, mas, como não teve sinal dela, decidiu levá-lo para o carro e dirigir até um centro de reabilitação animal.

Chamado de herói por alguns, o homem acabou criticado por ativistas, que afirmaram que muitas pessoas tiram animais da natureza por acreditarem que estão ajudando, quando, na verdade, esses bichos não precisam ser resgatados.

"Nós dizemos às pessoas para nunca assumirem que um filhote está órfão a não ser que tenham visto a mãe dele morrer", explica Michelle Dennehy, porta-voz do Departamento de Pesca e Vida Selvagem do Oregon (ODFW, na sigla em inglês).

Apesar de ninguém saber o animal estava perdido da mãe, um porta-voz da entidade que acolheu o urso informou que ele estava "severamente desidratado e letárgico" ao chegar no local. Ele recebeu tratamento e, horas depois, já começou a mostrar sinais de melhora.

Batizado como Elkhorn (em referência ao local onde foi encontrado), o urso ficará sob custódia do ODFW. Acredita-se que será impossível reuni-lo com a mãe, e, por conta disso, ele deverá ser enviado a um zoológico.

Por ter retirado o animal de seu habitat, Hancock poderá ser multado em US$ 6.250 (cerca de R$ 19 mil) por ter descumprido uma lei estadual que proíbe essa prática.