+A +/- -A

Enem: notas individuais já estão no ar; saiba como consultar

Enem: notas individuais já estão no ar; saiba como consultar


Atualizado em janeiro de 2017


O Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) liberou nesta quarta-feira (18) o acesso às notas individuais dos candidatos que fizeram as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016.
A consulta deve ser realizada no site do Inep, órgão ligado ao MEC (Ministério da Educação) e responsável pela aplicação do exame.


Para acessar os resultados, o estudante precisa informar seu CPF e a senha cadastrada durante o período de inscrição. Caso tenha perdido a senha, é possível recuperá-la no sistema. O boletim apresenta o desempenho do candidato nas quatro provas objetivas: linguagens, matemática, ciências humanas e da natureza.

Com os resultados do Enem, os inscritos podem concorrer a vagas nas universidades federais que integram o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), a bolsas do Programa Universidade para Todos (Prouni) e a financiamentos do Programa de Financiamento Estudantil (Fies).

A nota também pode ser utilizada para participação em diversos processos seletivos e para obter a certificação do ensino médio.

Sisu 2017

O calendário do Sisu também será divulgado nesta quarta (18). Para participar do processo, o candidato deve ter participado do Enem 2016 e não ter zerado a redação. É possível se inscrever em até duas opções de vagas.

Consulta pública

Também nesta quarta (18), será aberta uma consulta pública sobre o Enem. Segundo o ministro da Educação, José Mendonça Bezerra Filho, haverá espaço para que especialistas, professores, pais e alunos opinem sobre possíveis reformas no modelo do exame.

Entenda a nota do Enem

A metodologia utilizada para correção do Enem é a TRI (Teoria de Resposta ao Item), modelo estatístico que permite que diferentes edições da prova sejam comparáveis. Na TRI, leva-se em conta para o cálculo da nota não apenas o número de acertos do candidato, mas o nível de dificuldade de cada item.

Na TRI, leva-se em conta a coerência das respostas do participante diante do conjunto das questões que formam a prova. Por isso, o número de acertos não tem correspondência direta com a pontuação final.

Não é possível comparar o número de acertos nas provas de diferentes áreas do conhecimento. Se um aluno acerta a mesma quantidade de itens nas provas de matemática e ciências humanas, por exemplo, não significa que a pontuação obtida será igual. Isso porque o nível de dificuldade de cada prova e dos diferentes itens que a compõe afetam esse cálculo final.